Santa Maria Madalena de Olivença. A identidade dos seus patrocinadores nos brasões das suas chaves de abóbada.

Servando Rodríguez Franco

Resumo


Da exígua documentação conservada respeitante à construção da igreja manuelina de Santa Maria Madalena de Olivença, não é possível deduzir o nome do seu arquiteto, ou mestre de obras, mas sim o dos seus promotores; do impulso inicial de El rei D. Manuel I, O Venturoso, até aos que sustentaram economicamente a sua fase de obras: “ho mte ho marques eo bpo eauilla. Todavia, essa documentação pode resultar limitada ou duvidosa em certos casos, como, por exemplo, a referência a esses não identificados “marquês” ou “mte”. Em consequência, pretende-se completar a identificação detalhada dos promotores com recurso à informação, talvez despercebida mas sempre presente nos conteúdos lavrados nas chaves centrais das abóbadas deste templo. Para tal, baseamo-nos na identificação dos brasões e seus titulares, não esquecendo a hierarquização estabelecida pela estrutura da própria igreja, caso isso possa contribuir para tal propósito.

Palavras-chave


História da Arte; Arquitectura;Manuelino

Referências


Arquivo Histórico Municipal de Elvas (AHME), Livro Primeiro das Próprias, Provizões, Alvarás, Cartas e Ordens Régias. Cota 1584/82.

Arquivo Histórico Municipal de Olivença (AHMO), Tombo Viegas, Legajo 3, Carpeta 1, vol.1.

AHMO, Legajo 9, Carpeta 2.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), Corpo Cronológico, Parte 1, mç.81, nº 11. Disponível em: http://digitarq.dgarq.gov.pt/viewer?id=3777826 (2014.02.20)

ANTT, Gav. 2, M. 11, nº 7.

BARBOSA, M.A. Vicentivs Lvsitanvs Ein portugiesischer komponist und musiktheoretiker des 16 jahrhunderts, Lisboa, Secretaria de Estado da Cultura, 1977.

CABEÇAS, M. A transfiguração barroca de um espaço arquitectónico. A obra setecentista na Sé de Elvas, Lisboa: Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, 2011. 2 Vols. (Tese de Mestrado).

CORTES CONSTITUYENTES DE LA NACIÓN ESPAÑOLA, Diario Oficial de las Cortes de enero y febrero, tomo II, nº 8, Madrid, Imprenta del Eco del Comercio, 1837. Disponível em:

http://books.google.es/books?id=RKJFAAAAcAAJ&printsec=frontcover&dq=cortes+constituyentes+de+la+naci%C3%B3n+espa%C3%B1ola++1837+Olivenza&hl=es&sa=X&ei=LPgFU9jrAtCe0wWJl4HAAg&ved=0CDAQ6AEwAA#v=onepage&q&f=false (2014.12.20)

ESPANCA, T. Duques de Cadaval, Cadernos de História e Arte Eborense, nº 21, Évora, [s.e.], 1999.

FORTEA, M. La Iglesia de la Magdalena de Olivenza. Modelo del gótico portugués, Badajoz, Caja de Badajoz, 2008.

GOIS, D. Chrónica do Felicíssimo Rei D. Manuel, Lisboa, Francisco Correa, 1567.

LOPES, F. Frei Henrique de Coimbra. O Missionário. O Diplomata. O Bispo, Estvdia, 37 (1973), Lisboa, Centro de Estudos Históricos Ultramarinos. págs 7-119.

NUNES, E. Abreviaturas Paleográficas Portuguesas, Lisboa, [s.e.] 1981.

PEREIRA, P. De Elvas a Olivença. O Renascimento antes de Vitrúvio, Monumentos, 28 (2008), Lisboa. pág. 85.

PINTO, N. A igreja de Jesus em Setubal e a Madalena de Olivença, Actas Encuentros/Encontros de Ajuda, 1 (1985), Olivenza. págs 657-669.

VALLECILLO, M.A. Arte Religioso en Olivenza, Badajoz, Diputación Provincial. 1991.

------------------------- Olivenza en su Historia, Badajoz, [auto-edição], 1999.


Texto Completo: PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons Attribution 3.0 .

ISSN 2183-0703. Revista do Instituto de História da Arte - Centro de Investigação. Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa